Foto: CRF

O Conselho Regional de Medicina Veterinária do Estado da Bahia, CRMV/BA participou do Fórum sobre os impactos da EAD na formação em saúde, promovido pelos Conselhos de classe da área de saúde na Bahia no dia 22 de julho, sábado. Além do CRMV/BA estiveram presentes o  Conselho Regional de Farmácia, idealizador do evento, Conselho de Odontologia, Serviço Social, Nutrição, Enfermagem, Medicina, Biomedicina, Fisioterapia, Fonoaudiologia e Psicologia e Educação Física.

O evento foi realizado na Reitoria da UFBA, no bairro do Canela e teve na mesa de honra a Deputada Federal Alice Portugal  (PC do B),  que é farmacêutica de formação e  tem um projeto contra o ensino a distância na área de saúde.  Também presente no evento, a vereadora Aladilce (PC do B), enfermeira de formação.

O pró-reitor Penildon Silva Filho, da  Pró-Reitoria de Ensino de Graduação também fez parte da mesa de honra e falou sobre a trajetória do Ensino a distância.

A presidente do CRMV/BA, MV Ana Elisa Almeida, professora da UFBA, esteve no evento e compreende bem a situação por ministrar Anatomia, uma disciplina na qual é importante que os alunos tenham contato com a peças ainda no começo do curso.

O coordenador do Curso de Medicina Veterinária da EMVZ-UFBA, MV e advogado Lúcio Leopoldo Aragão, participou atividade da formulação e divulgação do evento. Ele, que também é conselheiro do CRMV/BA, destaca a necessidade da relação com o paciente na formação do médico veterinário e acredita que EAD não atende às necessidades porque falta qualificação apropriada. O professor destaca que Medicina Veterinária é “um curso de longa duração que exige a presença do estudante em uma Instituição de Ensino Superior que ofereça condições para sua formação adequada”.

A partir de sua experiência como educador na UFBA, Dr. Lúcio considera basilar a existência de um “hospital médico veterinário devidamente aparelhado e equipado” e “fazendas experimentais como recurso de ensino, pesquisa e extensão universitária proporcionando contato do estudante com a realidade da clínica médica veterinária para grandes animais,  por exemplo”.

O conselheiro vê com entusiasmo as articulações em torno do pedido de revogação do Decreto 9.057/2017 que permitiu o ensido a distância para praticamente todos os cursos.

O Decreto,  informa Dr. Lúcio, contraria a Constituição Federal, a Lei de Diretrizes e Bases da Educação e o Código de Defesa do Consumidor com relação aos usuários de serviços de saúde. Para algumas outras áreas, o EAD é interessante porque democratiza o acesso ao ensino superior, mas para saúde pode trazer consequências ainda não devidamente mensuradas. Ele diz bem humorado, mas suas palavras são sérias: “Queremos distância da  Educação a distância na área de saúde, pois ensino de saúde é presencial”.

Foto pessoal do MV Lúcio Aragão

 

Ascom CRMV/BA, publicado em:  26 de julho de 2017

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.