24 de julho de 2017

Por Carolina Menkes

O Conselho Federal de Medicina Veterinária (CFMV) participou, entre os dias 9 e 14 de julho, do 12º Congresso Internacional de Mastozoologia (IMC12), em Perth, na Austrália. O evento foi organizado pela Federação Internacional de Mamíferos e pela Sociedade Australiana de Mamíferos.

O Congresso é a principal conferência internacional de mamíferos do mundo e um fórum importante para os profissionais que atuam com mamíferos selvagens se atualizarem sobre os tópicos mais recentes de conservação de mamíferos marinhos e terrestres.

“Considerando que a União Internacional para a Conservação da Natureza identificou que 25% das espécies de mamíferos estão em risco, a necessidade de pesquisa e gerenciamento contínuo de mamíferos globais se fortalece, e para isso se faz necessário o compartilhamento do conhecimento interdisciplinar”, ressaltou o presidente da Comissão Nacional de Animais Selvagens (CNAS) do CFMV, João Rossi, que esteve presente no evento.

Rossi acompanhou diferentes palestras e simpósios, entre eles sobre saúde e doenças de mamíferos, tema de atuação direta dos médicos veterinários, segundo ele. “Foi um espaço criado no evento para integrar o conhecimento de diversos profissionais e de diferentes áreas do conhecimento, buscando a Saúde Única”, afirmou.

Foto: Arquivo pessoal

 

A Ecofisiologia Selvagem também foi destacada no evento, com apresentação de estudos e métodos alternativos minimamente invasivos sobre o comportamento e fisiologia dos mamíferos selvagens em seu ambiente natural de vida.

Rossi citou também palestras que acompanhou sobre o manejo de populações de mamíferos que aumentam em grande escala e causam prejuízos econômicos e ameaças à saúde humana. “Outro tema de importância para o Brasil foi sobre as formas de atuar com espécies de mamíferos predadores que possam representar problemas econômicos para as comunidades rurais”, citou.

O presidente da CNAS/CFMV participou ainda de workshop sobre monitoramento remoto de mamíferos selvagens. “No Brasil temos uma lacuna tecnológica enorme para desenvolvimento de equipamentos nacionais que monitorem a vida selvagem”.

Segundo ele, a principal mensagem deixada pelo IMC12 foi a valorização da fauna local, por meio da educação ambiental. “A CNAS/CFMV vem atuando neste sentido, buscando valorizar a fauna brasileira, participando de trabalhos e discussões contra o tráfico de animais selvagens, o bem-estar animal e a tutoria responsável de animais selvagens de origem legal”, finalizou.

Assessoria de Comunicação do CFMV

 

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.