Uma ação conjunta do Conselho Regional de Medicina Veterinária do Estado da Bahia (CRMV-BA), Brigada K9 do Corpo de Bombeiros Voluntários, Polícias Civil e Militar resultou na prisão em flagrante de uma mulher na tarde desta quinta-feira (22), por prática de maus-tratos contra animais. Zuelia Cordeiro Lopes é estudante de Medicina Veterinária e exercia ilegalmente a profissão. Ela foi detida em um imóvel, no bairro de São Cristóvão, em Salvador. No local foram encontrados mais de 100 animais em condições insalubres. Muitos desses animais foram “sequestrados” por Zuelia, que recebia os animais e não os devolvia aos tutores. Ela foi presa após ser ouvida na Central de Flagrantes da Polícia Civil, na região do Iguatemi, pela delegada Marley Reis de Oliveira.

As investigações contra Zuelia tiveram início há quatro meses, quando a Brigada K9 e o Disque Denúncias da Secretaria de Segurança Pública receberam as primeiras denúncias. Ela cobrava valores que variavam de R$ 100 a R$ 2.000 para realizar, ilegalmente, procedimentos, atendimentos clínicos e intervenções cirúrgicas em cães e gatos. “Iniciamos as investigações, reunimos provas e documentos comprobatórios das irregularidades e dos crimes cometidos e nos asseguramos que conseguiríamos lavrar o flagrante”, explica o comandante Emerson França, da Brigada K9, que coordenou a ação.

A médica-veterinária Manuela Solcá, membro da comissão de bem-estar animal do CRMV-BA, acompanhou a operação. Em seu relato ela destaca que além dos maus-tratos flagrados e toda a precariedade que envolve o bem-estar animal, alguns animais apresentam indícios de leishmaniose e esporotricose, doenças zoonóticas que podem ser transmitidas entre animais e pessoas, apresentando sérios riscos à saúde pública. “Tinha tanto cães como gatos, filhotes e adultos, alguns desnutridos e doentes. Alguns estavam presos e outros em caixas e gaiolas. Também encontramos animais no soro e outros que pareciam ter acabado de ser operados”, relata.

Procurador Jurídico do CRMV-BA, Thiago Mattos explica que com o auto de prisão em flagrante emitido, deve ser marcada uma audiência de custódia na qual Zuelia Cordeiro Lopes será ouvida e destaca que a nova lei estabelece reclusão de dois a cinco anos, além de multa e proibição de guarda para quem praticar abuso, maus-tratos, ferir ou mutilar animais.

Os animais mais debilitados, ou que passaram por cirurgias foram resgatados pela Brigada K9 e encaminhados para acompanhamento médico-veterinário. A polícia vai acionar os tutores dos cães e gatos “sequestrados” para que resgatem os animais. Os demais devem ser encaminhados para abrigos e adoção.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.