Durante os dias de folia do Carnaval, quem está se divertindo ou trabalhando acaba consumindo alimentos e bebidas na rua. Para garantir a segurança alimentar da população, os médicos-veterinários das vigilâncias sanitárias (Visa) reforçam a fiscalização do comércio de produtos de origem animal. O objetivo é prevenir a venda e o consumo de alimentos sem adequações sanitárias, que ofereçam riscos à saúde pública e transmitam doenças ou originem intoxicações alimentares, como a causada pela bactéria Salmonella.

Justamente para orientar vendedores e foliões nesse período de festa, os médicos-veterinários das Visas estão nas ruas realizando inspeções nos estabelecimentos fixos e orientando ambulantes das cidades que sediam as principais concentrações carnavalescas. Na grande festa do axé, o trabalho de inspeção da Vigilância Sanitária da Prefeitura de Salvador inicia na quinta-feira (28/2) e segue organizado para atuar 24 horas nos circuitos até a quarta-feira de Cinzas (6/3).

A Vigilância Sanitária terá dez praticáveis fixos espalhados pelos circuitos para otimizar as ações de inspeção. Serão fiscalizadas e notificadas as irregularidades nos trios elétricos, nos carros de apoio, nos camarotes, nos bares, restaurantes e hotéis, além dos comércios informais, como balcões de alimentos, baianas de acarajé e ambulantes.

A médica-veterinária Elenaide de Paula Lyra, da Comissão de Alimentos do Conselho Regional de Medicina Veterinária da Bahia (CRMV-BA), é fiscal de controle sanitário do município e explica que as equipes ficarão nas ruas notificando as irregularidades com relação à infraestrutura, conservação e acondicionamento dos alimentos e das bebidas.“Vamos verificar as condições de higiene no preparo dos alimentos, como é feita a manipulação, se há ponto de água potável, se estão comercializando produtos clandestinos, bebida sem rótulo, fora do prazo de validade, gelo de indústrias clandestinas, mercadoria deteriorada, enfim, o trabalho dos fiscais visa evitar surtos alimentares e intoxicações causadas pelo consumo de produtos sem as adequações sanitárias exigidas por lei”, destaca.

Os médicos-veterinários e demais profissionais de saúde da Visa de Salvador ficarão atentos à questão ambiental, pois existem pontos certos na cidade durante todo o percurso dos trios para o descarte adequado dos dejetos. A fiscalização estará de olho para que não sejam despejados em vias públicas. “É um trabalho árduo, mas muito gratificante zelar pela saúde dos foliões e também das pessoas que estão trabalhando no carnaval de Salvador”, declara Eleanaide.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.